Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ó Menina

Notas de uma menina que, por acaso, trabalha num call center

Ó Menina

Notas de uma menina que, por acaso, trabalha num call center

A Índia está a ficar cara

ó menina, 02.07.15

A Índia está a ficar cara. Por isso, os senhores que mandam naquilo da Europa querem afundar a Grécia. A 'questão grega' dá-lhes uma boa desculpa para manter os países mais pequenos ou periféricos sob o jugo da austeridade e com uma mão-de-obra qualificada barata pronta a servir os seus interesses económicos. 

Em Amarante, vai abrir um novo Call Center.

Ás meninas e aos meninos que concorram é exigido que sejam fluentes em Francês. 

Os responsáveis pela Câmara  Municipal, à semelhança de outros autarcas e governantes, regozijam e ajoelham agradecidos pelo investimento. Difícil será perceber o que pensam acerca da falta de regulamentação da profissão, dos baixos salários e da exploração a que os trabalhadores do sector estão sujeitos, até porque para eles está tudo bem, Portugal está em recuperação e Portugal não é a Grécia (infelizmente! Digo eu, infelizmente Portugal não é a Grécia!).

 

Em França, uma hora de trabalho num call center custa ao empregador cerca de 32 euros em Madagáscar 9 euros, em Portugal a ó menina e os colegas recebem 3,15 euros. Os valores referidos pelos patrões para remuneração máxima possível incluem prémios cujas condições de atribuição estão em constante mudança nem sempre comunicada ao trabalhador e as metas são inatingíveis. Um engodo desnecessário pois em Portugal as pessoas estão necessitadas, no limiar de perder o pouco que lhes resta e só lhes resta a dignidade.

 

 

Se alguém, por lá, precisar de comer as condições estão aqui.

 

 

Obrigada, pelo seu contacto!

 

 

 

 

2 comentários

  • Imagem de perfil

    ó menina 04.07.2015

    A mão de obra barata tornou-se ideologia mas, o sector dos call center, por dispensar o relacionamento presencial, é dos poucos que permite a grandes grupos economicos internacionais entrar fronteira adentro para sapatear em cima dos trabalhadores reféns dessa ideologia.
    Desenganem-se os que pensam que na profissão se desempenham tarefas menores. No call center, mexem com os nossos serviços: água, gás, electricidade, TV, comunicações, internet, seguros... com as nossas facturas ou seja com o nosso dinheiro e têm acesso aos nossos dados pessoais. Como consumidora assusta-me que sejam locais onde as pessoas são tratadas como descartáveis.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.