Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ó Menina

Notas de uma menina que, por acaso, trabalha num call center

Ó Menina

Notas de uma menina que, por acaso, trabalha num call center

Amiguinha do Patrão

ó menina, 16.08.19

 

Maria Chambel é o nome da sô dôtora que esclareceu ao Expresso no 'artigo' referido no post anterior que 'trabalhar em Call Centers já não é esgotante'
Confesso que tive algum pudor em referir o nome da pessoa até que me apercebi de que Maria José Chambel é uma 'entendida' na matéria de longa data.
Em 2010 lançou em parceria com outra autora a obra 'Trabalhar em Call Center do mito à realidade' que tinha um prefácio do Pedro Champalimaud à época nada mais nada menos do que, Presidente da Associação Portuguesa de Call Centers. Pedro Champalimaud foi o primeiro presidente que a Associação teve, era na altura responsável pela Contact empresa de call centers que tinha como principal cliente o estado: IPJ, RTP, Turismo de Portugal... e que deixou uma má lembrança em termos de precariedade laboral nas Caldas da Rainha, mais tarde a empresa transformou-se na Espírito Santo Contact e foi um dos activos vendidos pelo Novo Banco depois da intervenção estatal. Armatis foi a empresa que aproveitou o negócio e é também a empresa que está a atrair clientes para Portugal que normalmente contratavam em África seeviços de contact center.
As elevadas qualificações dos portugueses, principalmente as linguísticas já que opera essencialmente em Francês, e a mão-de-obra barata fazem de Portugal um excelente sítio para explorar. Felizmente, Portugal é também o país onde uma sô dôtora, que só por acaso é amiguinha do patrão, descobriu com o patrocínio da Faculdade de Psicologia de Lisboa que ser operador de call center deixou de ser esgotante.


Disponham sempre!

15 comentários

Comentar post