Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ó Menina

Notas de uma menina que, por acaso, trabalha num call center

Ó Menina

Notas de uma menina que, por acaso, trabalha num call center

Coloquem na Agenda

ó menina, 19.10.19

Trabalhadores de call center convocam greve para 31 de outubro: Embora assinem contrato com empresas de trabalho temporário, é para as operadoras de telecomunicações que realmente trabalham. Trabalhadores de call center reivindicam a integração nessas empresas e melhores condições de trabalho.

Os prémios são uma ilusão”, esclareceu o sindicalista Daniel Negrão, no plenário, uma vez que “os objetivos definidos são praticamente inatingíveis".

Os trabalhadores de call center com contratos com empresas de trabalho temporário são considerados trabalhadores indiferenciados, em situação diferente daquela dos colegas que prestam exactamente os mesmos serviços, mas que têm um vínculo laboral com as operadoras de telecomunicações.

“Por exemplo, na Altice, são considerados trabalhadores especializados e podem ter vencimentos a variar entre os 1 300 e os 2 700 euros", garante o dirigente do Sindicato Nacional dos Correios e Telecomunicações de Portugal (SNCTP).

A greve foi decretada por três sindicatos da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP), na sequência de plenários de trabalhadores: SNCTP, Sindicato Nacional dos Trabalhadores das Telecomunicações e Audiovisual (SINTAV) e Sindicato das Indústrias Eléctricas do Sul e Ilhas (SIESI).

Via Esquerda Net

 

ps Sendo apresentada para o sector por sindicatos de representação nacional, desta greve, poderão em princípio participar todos os trabalhadores mas seria bom que todos os sindicatos se juntassem. O STCC, por exemplo, devia estar nesta lista.

A geringonça deixou uma ferida aberta no seio das esquerdas no que a matéria laboral se refere mas era bom ver BE, PCP, MAS e demais partidos unirem-se e apelarem aos sindicatos sob os quais exercem influência que se unam por uma causa que ultrapassa o jogo político. 

Apesar de ser um sector onde a precariedade laboral funciona como um travão à sindicalização, para participar da greve não é preciso ser sindicalizado.

Espero que seja uma greve participada e que torne visível a dimensão do sector até agora ignorado.

Informem-se!

 

9 comentários

Comentar post