Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ó Menina

Notas de uma menina que, por acaso, trabalha num call center

Ó Menina

Notas de uma menina que, por acaso, trabalha num call center

Deus lhes dê saúde

ó menina, 08.06.16

 

Há dias, para evitar os snacks da máquina automática,  para andar um pouco e esticar as costas na pausa para almoço fui até ao centro comercial. 

Eram 16h00 mas, como tinha saído de casa às 11h00 e já tinha trabalhado 5 horas estava com fome de almoço então pedi uma salada e sentei-me a comer sossegada.

À minha frente, sentou-se um casal, afortunado, com dois miúdos giros com os quais tinham o privilégio de passar uma tarde em família. 

Não sei se já vos tinha contado mas, eu não sou magra o que por vezes faz com que os outros me olhem como se a minha presença, por si só, seja um incomodo ou uma afronta para eles. E nem sequer sou obesa, imaginem se fosse. A senhora acompanhada da família olhou-me assim. Olhou-me, olhou o meu prato comentou para a família o meu aspecto físico e torceu o nariz expressando nojo. 

Normalmente não me incomodo com estas coisas mas, quando vejo adultos ter atitudes destas em frente aos filhos penso - Que Deus lhes dê saúde! Porque se um dia, por qualquer infelicidade, um deles ficar desfigurado, desmembrado ou gordo e tiver que lidar com a intolerância, incompreensão e falta de respeito do outro quem vai sofrer é a mãe que terá de viver com a culpa de lhes ter mostrado que isso era normal. 

Penso e qualquer dia levanto-me para dizer a um ou outro. Não há paciência que aguente. Eu só queria ter uma refeição sossegada e nem sequer fiz a pior escolha, era uma salada. Comer é uma necessidade, mesmo para um gordo.

 

 

Bom almoço!

 

 

35 comentários

Comentar post

Pág. 1/2