Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ó Menina

Notas de uma menina que, por acaso, trabalha num call center

Ó Menina

Notas de uma menina que, por acaso, trabalha num call center

Pergunta que não quer calar

ó menina, 05.01.20

'Os problemas amorosos são a principal origem das depressões?
Os problemas nas relações mais próximas, mais íntimas, mas atualmente aparece também muita patologia relacionada com o trabalho, é uma das diferenças. Burnout, stress crónico, a própria depressão – o burnout acaba numa depressão se persiste. Vemos casos dramáticos por exemplo em França, com a vaga de suicídios na France Télécom.

Antigamente as pessoas também trabalhavam muito, de sol a sol, o que mudou?
Hoje as pessoas não dão conta que trabalham muito e de que são abusadas. Dantes trabalhavam de sol a sol mas se o capataz ou patrão desaparecia, pousavam a enxada, fumavam um cigarrinho, protestavam. Hoje não falam, cheguei a ouvir relatos de pessoas na Volkswagen ali em Palmela a quem eram descontados os minutos para ir à casa de banho.

Houve o caso denunciado recentemente de uma funcionária do Pingo Doce que acabou por urinar na caixa por não ter podido ir à casa de banho.
Isso acontece no local de trabalho e depois as chefias telefonam, mandam emails para casa, querem resposta na hora. É preciso lutar contra isto. Neste ambiente, criam-se hábitos estranhos. Há uns tempos veio procurar-me uma pessoa que estava deprimida, era burnout, mas neste caso era alguém que trabalhava como freelancer... As pessoas habituaram-se de tal maneira ao excesso de trabalho que se impõe a si próprias ritmos excessivos. Só há um processo para sair disto, que é não estar em excesso de trabalho.'

Coimbra de Matos, em entrevista ao jornal I no dia em que celebra 90 anos

Como? Questão que se impunha e continua sem resposta.

Como? Como é que alguém escapa a isto?

13 comentários

Comentar post