Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ó Menina

Notas de uma menina que, por acaso, trabalha num call center

Ó Menina

Notas de uma menina que, por acaso, trabalha num call center

Respeitem os que não podem ficar em casa.

ó menina, 16.03.20

Também me resguardei no fim-de-semana, mas o fim-de-semana acabou e a semana de trabalho começou.


Só os pais de menores de 12 anos têm apoio financeiro excepcional para ficar com os filhos, apoio que pode ser transferido para outra pessoa no caso de o pai/mãe ser profissional de saúde. Mesmo estes, os que ficam em casa com os filhos poderão ter que sair não só para suprir as mesmas necessidades básicas que vos farão sair de casa mas também para ir à escola levantar as refeições dos filhos que não estavam programadas no seu pequeno orçamento, muito menos agora.

Os que estiverem de quarentena ou baixa médica recebem os subsídios correspondentes.

Dos outros, nem todos têm empregos públicos ou que permitam o teletrabalho.

A maioria das empresas continua a laborar, mesmo que não estejam ligadas à produção ou venda de bens essenciais.
A medida do governo de mandar os miúdos para casa ajudou os patrões, assim só têm que criar um plano de contingência onde as pessoas estejam mais afastadas umas das outras. Em alguns Call Centers, salas de trabalho partilhados por dezenas ou centenas de trabalhadores, com partilha de postos de trabalho, está a ser deixado um lugar entre comunicadores ainda que os estejam a manter frente a frente e a partilhar espaços comuns exíguos como refeitórios.
Para além da medida do governo, o medo e a incerteza também ajudam os patrões que adiam a tomada de decisão sobre enviar parte do pessoal para casa e empurram os trabalhadores para a antecipação de férias ou organização colectiva que pode culminar em greves.

O STCC - Sindicato dos Trabalhadores dos Call Centers já emitiu um pré-aviso de greve como forma de pressão e para proteger os trabalhadores que optem pelas faltas. Percebo, pode ser útil, mas discordo da sua utilização não devem ser os trabalhadores, o elo mais fraco da cadeia, a suportar os custos desta situação extraordinária.

Só estão em quarentena aqueles que foram identificados pela DGS - Direcção Geral de Saúde. Portanto, lembrem-se disto quando virem alguém na rua, a apanhar o autocarro, a entrar num café ou a comprar pão e resistam à tentação de estar da janela a fazer vídeos ou fotos com legendas insultuosas para as redes sociais acerca daqueles que não podem estar em casa como vocês.
Talvez alguns estejam na rua só porque sim, mas sejamos francos o motivo do maior número de saídas dos que estão em casa será comprar tabaco, ou seja, do vosso lado também não estão só heróis. 
Não sejam parvos com os que têm que continuar a sair!
Isto não é o tempo da outra senhora. Ninguém tem que sair à rua enfiado num bioco ou numa coca para proteger a sua privacidade ou identidade.

 

Artur-Pastor-Mulher-com-bioco-Olhão-Portugal-1943-1945.jpg

Mulher com Bioco By Artur Pastor

 

8 comentários

Comentar post