Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ó Menina

Notas de uma menina que, por acaso, trabalha num call center

Ó Menina

Notas de uma menina que, por acaso, trabalha num call center

Do baú

ó menina, 28.06.16

Nos anos 30, Portugal já tinha telefones automáticos que dispensavam a intervenção da menina telefonista, poucos mas tinha.

Quem os pretendesse tinha que os solicitar, por telefone ou por postal, à Anglo-Portuguese Telephone Co. Ltd.

Os utilizadores eram alertados para seguir todas as regras, à risca, no próprio equipamento.

Não eram necessários pagamentos antecipados e mensalmente um cobrador ia a casa do cliente cobrar a conta. Ah, bons velhos tempos, esses em que não haviam call centers para esclarecer facturas e receber reclamações, o cobrador ia lá a casa e resolvia-se tudo.

 

telefone automático.jpg

telefone regras.jpg

in Revista Ilustração, No. 118, Novembro 1930

 

Obrigada, pelo seu contacto.

Quando eu era pequenina gostava de telefones

ó menina, 28.09.15

Quando era criança as minhas brincadeiras eram diferentes das dos miúdos de agora.

Nas férias de Verão, que eram intermináveis, aproveitávamos a existência de um telefone fixo sem vigilância e de um enorme livro de nomes e números que ficava logo ali, ao lado do aparelho, e tratávamos de nos divertir.

 

 

Letra C

- olá, fala de casa do senhor Coelho?

- sim!?

- então fuja que abriu a época de caça!

 

 

Letra T

- olá, é do talho?

- sim!

- tem cabeça de porco?

- sim!

- então, ronque!

 

118 (serviço informativo)

-ó menina, qual foi o primeiro rei de Portugal?

- Dom Afonso Henriques!

- CERTO!!

 

Eu divertia-me com telefones!

Pergunto-me como é que passei do divertimento à aversão só contrariada pelas contas que tenho para pagar.

 

Obrigada, pelo seu contacto!